12/12/08

Mário Cesariny


Na próxima quinta-feira, dia 18, queremos oferecer aos Amigos que nos têm seguido desde 2002 uma noite mágica. Cheia de poesia, música e algumas surpresas.

Este poema de Mário Cesariny inspira-nos para prosseguirmos a nossa acção ao serviço do Sonho.

mágica

É uma estrada no céu silenciosa
um anão sem ninguém que o suspeite
é um braço pregado a uma rosa
um mamilo escorrendo leite

São edénicos anjos expulsos
sonhando quietude e distância
são homens marcados nos pulsos
é uma secreta elegância

São velhos demónios ociosos
fitando o céu bailando ao vento
são gritos rápidos, nervosos
que destroem todo o pensamento

É o frio deserto marinho
operando na escuridão
é o corpo que geme sòzinho
é a veia que é coração

São aranhas jovens, pernaltas
arrastando embrulhos para o mar
são altas colunas tão altas
que o chão ameaça estalar

São espadas voantes são vielas
passeios de todos e nenhuns
são grandes rectas paralelas
são grandes silêncios comuns

É uma edição reduzida
das aras da história sagrada
é a técnica mais proibida
da mágica mais procurada

É uma estrada no céu silenciosa
por um domingo extenso e plácido
é um anoitecer côr de rosa
um ar inocente, ácido

(Mário Cesariny, in "manual de prestidigitação"/ Assírio & Alvim)

2 comentários:

Fraude disse...

Estando fisicamente tão longe dos Poetas das Quintas, congratulo-vos pela existência deste blogue me faz sentir tão perto.
Votos de que a noite de 18 de Dezembro seja realmente mágica.

Patrícia Campos disse...

Obrigada e parabéns pelo seu blogue. Se estiver por perto apareça. Será nosso convidado.