15/10/08

HERBERTO HELDER, OUTRA VEZ


cabelos amarrados quentes que se desamarram,
oh quero-te em volta de luz batida,
em língua máxima,
a floração devora as varas,
o ar que se empolga devora-te a obra mulheril,
uns palmos de sangue até à boca sôfrega,
e depois desmanchas-te

(Herberto Helder in "A faca não corta o fogo", Assírio & Alvim)

1 comentário:

Menina_marota disse...

É sempre um prazer recordar!!