10/09/08

CHÃO

Não há limite que não seja por ele suportado.
Suporta todo o cansaço. Traições, fadiga, falhanços.
Aconteça o que acontecer tens um corpo que pesa;
e um chão, mudo, imóvel, que não desaparece.

(Gonçalo M. Tavares in "1"/Relógio d'Água Editores)

1 comentário:

Liliana Jasmim disse...

Há poucos escritores que renovam a literatura. O Gonçalo M. Tavares traz algo de novo.

É o corpo, a sua dimensão, o interlúdio das suas sensações ...numa espécie de diálogo filosófico que nos prende às suas palavras:)

Parabéns pelo blogue e por terem selecção cuidadas de conteúdos, que convidam a bons momentos de leitura.

Cumprimentos

Liliana