02/09/08

ATÉ SEMPRE, POETA!



uma boina

eu só a uso como cúpula inacabada
não dou ordens nem peço esmola
a uma arte de rua fugida à escola
que apanha traços a uma máscara

enfiaram-me o barrete à nascença
não tiro o boné a não ser na forca
fui trolha nos vitrais da renascença
e ando ainda ao leme da minha proa

(Joaquim Castro Caldas, in "Mágoa Das Pedras"/Deriva Editores)

2 comentários:

Nuno Leal disse...

Mui bueno poeta!

emiliorobin.blogspot.com

antónio quadros ferro disse...

poesia como esta vai fazer-nos falta.